Ainda sobre mel…

Por Shoshana C.

“Terra que emana leite e mel”

Foi anunciado há algum tempo pela revista científica “PNAS”( Proceedings of
the National Academy of Sciences ) que arqueólogos descobriram colmeias de abelhas domésticas

de cerca de três mil anos passados, em Israel.

O achado foi na colina de Tel Rehov, ao norte de Israel, no vale do rio Jordão, sendo

um centro de apicultura do tempo dos reis Davi e Salomão,segundo os arqueólogos.No local foram

achados vinte e cinco cilindros onde eram depositados os favos. Cada colmeia media oitenta cm.

de comprimento e quarenta de diâmetro. Calcula-se entre setenta e cinco e duzentas, com mais de

um milhão de abelhas e uma produção de cerca de quinhentos quilos de mel e setenta de cera.

Amilhal Mazar,da Universidade Hebraica de Jerusalém,suspeitou que os cilindros

de argila seriam para a criação de abelhas.Havia uma pequena abertura de um lado e uma tampa

do outro,que seriam os locais para a entrada dos insetos e manipulação de favos.

Os estudiosos israelenses foram ajudados à distância pelo biólogo brasileiro Tiago

Francoy, que havia realizado sua tese de doutorado, estudando com Stefan Fuchs, na Alemanha.

Pesquisas verificaram espécies diferentes, sub espécies e aventa-se a possibilidade de

um comércio constante de rainhas e colmeias de um lugar para outro,apesar dos estudos não

confirmarem se saberiam a rainha mãe ser a responsável por manter as colmeias funcionando.

Eucaliptos Australianos

Israel com verões muito quentes,longos e secos tem flores que só florescem uma vez por ano, na primavera. Sendo assim as abelhas têm de ser alimentadas com açúcar originando um mel não muito saudável.

Por esta razão, Israel resolveu importar da Austrália eucaliptos que florescem o ano

inteiro; assim sendo a produção de mel aumentou consideravelmente. As primeiras mudas foram

trazidas em 1998 .Mais de cem mil árvores vêm sendo distribuídas aos apicultores.

Fonte: Centro de Mídia Brasil Israel

Bookmark the permalink.

Comments are closed.